]between[

sonho - Vera Basile
imagem: sonho - Vera Basile

Era quase um sonho: a boca quase tremia, o coração quase na boca e borboletas no plexo solar.
As cartas quase chegavam, os olhos quase dilatavam, as palavras quase falavam as promessas quase no ar.
O vinho quase que veio, telefonemas que quase demoraram, e o fim de semana quase a chegar.
Então, os encontros, quase desfeitos, rumores quase rangendo, portas prestes a fechar.

A primeira quase desistência daquilo que era quase amor.

**************

pele pede pele
e
no espaço

entre

os tecidos:
o verbo
no presente contínuo

Anúncios

3 comentários Adicione o seu

  1. Sensacional. E é por iso que vc é dona de um dos poucos blogs que tenho o prazer de acompanhar. Parabéns. 🙂
    w.

  2. Ei…isso foi lindo…tem que ler como eu li (foi sem querer) li ouvindo Caetano…”Peter Gast”…e deu tudo certo, mais certo impossível…e ainda a ilustração da Vera…momento “quase” tudo…

  3. …esqueci de dizer que o verbo no presente contínuo foi mesmo definitivo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s